CUIABÁ

CONTRA NOVA ONDA

Osmar Froner cancela Carnaval em Chapada dos Guimarães e estabelece multa de R$ 30 mil

Cidade tem 255 casos ativos de Covid-19 e prevê um grande fluxo de visitantes mesmo com o cancelamento da festa

Publicado em

POLÍTICA

Foto: Reprodução / Secom MT

O prefeito de Chapada dos Guimarães, Osmar Froner (MDB), decidiu cancelar a realização Carnaval diante do aumento de testes positivos para a Covid-19 na cidade e Baixada Cuiabana. Por meio do Decreto nº 08/2022, o chefe do Executivo proibiu também o uso de som automotivo em vias públicas e o funcionamento do comércio além do limite de horário do alvará. A multa para quem desobedecer as normas, válidas entre 1º de fevereiro e 7 de março de 2022, varia entre entre R$ 5 mil e R$ 30 mil.

– NOTÍCIAS EM TEMPO REAL: participe do grupo do MT Notícias no WhatsApp e acompanhe tudo em primeira mão. Inscreva-se aqui!

De acordo com o último boletim epidemiológico divulgada pela Secretaria Municipal de Saúde na última quarta (19.01), Chapada tem 255 casos ativos do Coronavírus; já, em Mato Grosso, ontem (21.01), a Secretaria de Estado de Saúde (SES) contabilizou novo recorde: foram 4.767 pessoas confirmadas com a doença.

“Diante deste novo cenário epidemiológico não só em Chapada dos Guimarães, mas em todo o Brasil, não há possibilidades de realizações de eventos. Ao contrário das festividades do final do ano de 2021, desta vez não temos segurança, e por isso resolvemos suspender o Carnaval em Chapada dos Guimarães”, explicou Froner.

Leia Também:  Ministério Público descarta fraude em CAR de fazenda e arquiva inquérito sobre crime ambiental

Após a promoção do Réveillon, os registros de contaminados subiu 340% em menos de sete dias. O Decreto nº 08/2022, que deve ser publicado no Diário Oficial dos Municípios da próxima segunda (24,01), busca evitar a repetição desse episódio que contribuiu para uma nova onda de pessoas infectadas.

Durantes os dias 1º de fevereiro e 7 de março de 2022 fica proibido qualquer tipo de evento, uso de som automotivo em vias públicas e estabelecimentos comerciais, e o funcionamento além do limite de horário previsto no alvará.

Denúncias podem ser apontadas por meio do (65) 9.9233-3210) ou 190. A multa para quem desobedecer as normas varia entre entre R$ 5 mil e R$ 30 mil, e a prefeitura também poderá suspender o alvará.

Mesmo com o cancelamento, o Executivo prevê um grande fluxo de visitantes e manterá o reforço dos serviços de limpeza e coleta de lixo, além de recomendar a manutenção das medidas de biossegurança.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA

‘Piada de mal gosto’, diz Emanuel Pinheiro sobre venda de vagões do VLT para Eduardo Paes

Prefeito de Cuiabá chamou de negociação do governo de Mato Grosso de ‘medida sem limites de maldade’

Publicados

em

Foto: Reprodução / Secom Cuiabá

“É uma piada de mal gosto, uma violência muito grande com a população carente e que depende do transporte coletivo. Já passou dos limites a forma de condução e a postura do governo do Estado em relação ao modal VLT”, disse o prfeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), ao ser questionado sobre a oferta de venda dos vagões do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) do governo do Estado à Prefeitura do Rio de Janeiro.

– NOTÍCIAS EM TEMPO REAL: participe do grupo do MT Notícias no WhatsApp e acompanhe tudo em primeira mão. Inscreva-se aqui no Grupo 1 e no Grupo 2! Participe também do Grupo de Discussão

A declaração foi dada durante a visita da senadora e pré-candidata à presidência da República, Simone Tebet (MDB), nesta segunda (23.05), ao Palácio Alencastro.

Eduardo Paes (PSD-RJ) estaria interessado em adquirir os 40 vagões para ampliar a frota do modal na capital carioca, alvo de protestos por parte dos usuários devido os atrasos frequentes e superlotação. Paes enviou uma comitiva para visitar o local onde os trens estão estacionados e agora a administração municipal analisa possibilidade por meio de estudos encabeçados pelo secretário municipal de Coordenação Governamental do Rio, Jorge Luiz Arraes.

Leia Também:  Governadores pressionam Câmara para inserir gatilho que evitaria perda de arrecadação

“É uma medida sem limites de maldade, de insensibilidade do governo do Estado. Ele acabou de dizer, inclusive, sustentando na tese junto ao Tribunal de Contas da União, que os vagões estavam acabados, quebrados e enferrujados. Agora, às escondidas tentava vender para a Prefeitura do Rio, que curiosamente, está enterrando o BRT para ampliar os trilhos do VLT”, falou o prefeito de Cuiabá.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA