CUIABÁ

OPINIÃO

Bioestimuladores: uma arma feroz contra o tempo

Publicado em

OPINIÃO

Foto: Arquivo pessoal

Há quem diga que não é possível parar nem voltar no tempo, porém a ciência já nos proporciona mecanismos para ao menos fazê-lo passar mais devagar quando o assunto são os efeitos colaterais do envelhecimento na pele e, até mesmo, rejuvenescer alguns anos e ‘ganhar mais juventude’ aumentando a produção de colágeno da pele, por meio dos bioestimuladores de colágenos, os queridinhos dentre os tratamentos estéticos do momento nos consultórios de biomedicina e dermatologia.

– NOTÍCIAS EM TEMPO REAL: participe do grupo do MT Notícias no WhatsApp e acompanhe tudo em primeira mão. Inscreva-se aqui!

Os bioestimuladores de colágeno são substâncias utilizadas para estimular e aumentar a produção do colágeno que é responsável pela firmeza e sustentação da pele e que diminui com o passar dos anos. São substâncias injetáveis, que podem ser aplicadas no rosto e no corpo para melhorar a firmeza e textura da pele. São compatíveis com nosso organismo, e por isso, seu uso é muito seguro, desde que o procedimento seja realizado por profissional capacitado. Os resultados são bastante naturais e o procedimento é rápido, sem impedir a rotina do paciente de seguir.

Leia Também:  PEC dos Precatórios: OAB e centrais sindicais divulgam manifesto contra calote

O sucesso dos bioestimuladores se dá pelo efeito rejuvenescedor, natural e progressivo na pele. Além de apresentar resultados naturais, os efeitos duram em média de 12 a 18 meses na área aplicada.  O pico de ação é de 30 a 90 dias após a aplicação.

Como fonte estimuladora de colágeno é indicado não só para correção dos danos colaterais do tempo na pele, mas também preventivamente, o que tem mostrado a longo prazo um resultado retardatário incrível na contenção do envelhecimento.

* Geici Rafaela é biomédica esteta em Cuiabá

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

OPINIÃO

Da agonia à extinção

Publicados

em

Foto: Arquivo pessoal

Escrevi tempos atrás, um artigo intitulado “Agonia de uma ave”, no qual demonstrava toda minha preocupação com relação ao sumiço de um dos mais belos exemplares da nossa fauna. Comentando com amigos, concordaram comigo, mas acharam uma certa dose de pessimismo na minha preocupação. Como, ponderei eu, se há cerca de alguns poucos anos atrás já via essa real possibilidade de sua extinção e hoje parece não haver mais dúvida, afirmei.

– NOTÍCIAS EM TEMPO REAL: participe do grupo do MT Notícias no WhatsApp e acompanhe tudo em primeira mão. Inscreva-se aqui! 

Como é expert em ornitologia, começa meu amigo dando uma verdadeira aula sobre os hábitos e as belezas da mesma. Pensei estar frente a um charlatão, mas, logo vi que se tratava de um conhecedor profundo dos hábitos do tucano.

Este estudioso, para minha tristeza infinita, confirma estar essa bela e formosa ave vivendo seus últimos dias de calvário. Lamentável! Muito lamentável!

Continua em sua explicação dizendo se tratar de ave canibal. De sua prole, ou da prole de outros semelhantes, poucos sobrevivem. Aqueles que demonstram aptidões físicas e principalmente tendência à liderança, são imediatamente enviados aos campos de extermínio. Falava meu orientador e passava na minha mente aquela fila interminável de judeus a caminho da câmara de gás.

Leia Também:  A PEC 32 é o Cavalo de Troia do Governo Federal

Contava-me também, que na sua fazenda, uma dessas aves, de alta plumagem, um verdadeiro líder, pois onde fosse era seguido pelo bando todo, após receber ajuda e mais ajuda dos seus semelhantes, e, sem que ninguém esperasse ou admitisse, coloca em situação difícil esse seu colega que enormes favores lhe fizera. Colocou-o simplesmente para tomar conta de uma colmeia.

Ao fazendeiro meu amigo, pouca esperança existia de vê-lo sair com vida de tamanha atrocidade.

À medida que narrava esses fatos, segundo ele, absolutamente verídicos, fui compreendendo porque dia a dia se deparar com um exemplar, se torna cada vez mais difícil. Os poucos que aparecem estão mal cuidados, necessitando de atenção médica urgente.

Não há como entender o perfil dessas complicadas aves sem que se tenha absoluto domínio do seu modo de viver.

Certo é que em pouquíssimo tempo, ficaremos nós e nossos filhos, impedidos de conviver com elas, pois sem nenhuma dúvida atravessam turbulências decisivas na luta pela sobrevivência. Se você nunca teve a oportunidade de fotografar ou ser fotografado ao lado de uma, aproveite seus derradeiros dias. No zoológico da Universidade, restam algumas, que ainda estão em bom estado de conservação. Seus tratadores, com carinho e muita atenção, tentam modificar seu modo de vida, mostrando-lhes a importância do companheirismo, da solidariedade, só assim garantindo a perpetuação da espécie.

Leia Também:  Caso não tenha, não gaste

Acredito ser esta uma das ultimas oportunidades de ter, na sala da sua casa uma bela foto desse exemplar. Depois não diga que não lhe avisei!

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA