CUIABÁ

BLITZ

Operação busca para acabar com escapes de motos “barulhentas” em cidade de MT

Condutor penalizados podem pagar multa de R$ 195,23 e ter cinco pontos descontados na CNH

Publicado em

GERAL

Foto: Divulgação.

Com objetivo de fazer cumprir as determinações do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), começou em Sinop uma operação de fiscalização para coibir e retirar de circulação motocicletas, motonetas e ciclomotores com escamento adulterado.

– NOTÍCIAS EM TEMPO REAL: participe do grupo do MT Notícias no WhatsApp e acompanhe tudo em primeira mão. Inscreva-se aqui!

A primeira blitz de fiscalização aconteceu na avenida das Sibipirunas, em frente ao Ginásio Olímpico José Carlos Pasa e não tem prazo para encerrar. “A nossa equipe a partir de hoje estará montando essas blitze de fiscalização em vários pontos da cidade com o objetivo de retirar de circulação e coibir as motocicletas, ciclomotores e motonetas com os chamados escapes barulhentos. Essas fiscalizações serão contínuas”, explicou o major Joubert Sacramento,

Sacramento explicou que as fiscalizações a esse tipo de infração já são feitas cotidianamente, mas devido ao aumento desse tipo de comportamento e reclamações recebidas da sociedade, se fez necessário a intensificação dessa ação para que o problema seja resolvido.

Leia Também:  Chuvas irregulares derrubam expectativa de colheita de 40 mi de toneladas em MT

“Temos percebido um aumento no número de veículos com esse tipo de escape e também na quantidade de reclamações da população. Nosso dever é esse, fiscalizar para fazer cumprir as regras de trânsito”, justificou.

O Código de Trânsito tipifica o escapamento adulterado como infração grave. O condutor encontrado nessas condições está sujeito a multa no valor de R$ 195,23, bem como cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e a retenção do documento do veículo.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

GERAL

São Paulo recebe primeira edição da Bienal do Lixo

Publicados

em

A partir de hoje (27), o Parque Villa Lobos, na zona oeste da capital paulista, recebe a primeira edição da Bienal do Lixo de São Paulo, projeto cultural que reúne obras de arte feitas a partir de material de descarte, intervenções artísticas, oficinas, mostra de cinema, palestras e painéis sobre o tema. O evento prossegue até o dia 5 de junho, com o objetivo de estimular o diálogo sobre as relações do homem com o meio ambiente. A cerimônia de abertura ocorreu na noite de ontem (26).

Organizado pela Secretaria Especial de Cultura do Ministério do Turismo, em parceria com as agências culturais La Mela e Usina, a Bienal do Lixo ocupará área de 3 mil metros quadrados no parque Villa Lobos, onde estarão instaladas as obras dos artistas, que representam exemplos de transformação. Na mesma área haverá seis cúpulas explorando o tema sob diferentes pontos de vista. Entre os artistas participantes estão Bordalo II, Ca Cau, Jota Azevedo, Carmem Seibert, Jorge Solyano, Rafael Zaca, Valter Nu, Leo Piló, Afonso Campos, Ubiratan Fernandes e Luê Andrade.

Nas oficinas artísticas e painéis, as empresas e organizações mostrarão suas ações, processos e modelos de negócio para reduzir o impacto ambiental. A Mostra de Cinema, que acontece na Biblioteca Parque Villa Lobos, exibirá filmes sobre arte, meio ambiente e sustentabilidade. Já os Painéis de Diálogos abordarão temas como logística reversa, economia circular, consumo consciente, educação ambiental, energias renováveis, gestão de resíduos, além de assuntos que possam colaborar com a política ambiental do país.

Leia Também:  Diagnóstico da Agropecuária de Cuiabá aponta necessidade de assistência a produtores

Ao mesmo tempo, como parte da programação da Bienal, será realizada de 1º a 3 de junho, das 10h às 17h30, o 13º Fórum Internacional de Resíduos Sólidos, na biblioteca do parque. Pela primeira vez em São Paulo, o encontro abrangerá discussões desde estudos acadêmicos até  visões governamentais e empresariais sobre o tema.

A diretora executiva da Bienal do Lixo, Rita Reis, ressaltou que a proposta é promover novos olhares e abordagens sobre os desafios para a preservação ambiental por meio da arte e cultura, ampliando o diálogo com a sociedade e todos os setores. “Acreditamos que a arte tem o poder de causar impacto nas pessoas, promover a reflexão, levar a uma transformação íntima e a mudanças de hábito que atingem diretamente o meio ambiente. Também acreditamos que a responsabilidade com o lixo e o meio ambiente é compartilhada entre poder público, sociedade e empresas.”

A artista plástica Carmem Seibert vai participar com obras feitas com garrafas de vidro fundido, inspiração que surgiu após um acidente de carro e cujo objetivo é chamar a atenção para o consumo de álcool e os riscos de acidentes de trânsito, além de mostrar que é possível fazer qualquer arte com as garrafas. Para ela, a Bienal do Lixo é uma forma de mostrar às pessoas o valor do material que é descartado.

Leia Também:  Comandante-geral da PM-SP anuncia ampliação da Operação Sufoco

“A garrafa de vidro é o material que tem a pior cotação no mercado dos recicláveis e, com o meu trabalho, posso mostrar que é possível fazer qualquer coisa com as garrafas de vidro. É possível fazer bijuterias, mosaico. Dessa forma, estou dando minha contribuição como artista porque as pessoas ficam maravilhadas com o que se consegue fazer”.

A Bienal do Lixo funciona das 10h às 18h, com todas as atividades abertas ao público e gratuitas, além de medidas de acessibilidade. Para ver a programação completa basta acessar o site do evento

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA