CUIABÁ

ENFORCOU VÍTIMA

Assassino de professor homossexual confessa crime e é preso

Murilo de Souza Feliciano foi morto em sua casa; suspeito estava com celular e chaves de educador

Publicado em

GERAL

Foto: Divulgação

Foi preso temporariamente o homem apontado como o autor do homicídio do professor Murilo de Souza Feliciano, ocorrido no dia 09 de maio em Tangará da Serra. O mandado de prisão foi cumprido nessa quinta (12.05), pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). O acusado confessou o crime e disse que assassinou o educador após ser assediado para manter relações sexuais com ele.

NOTÍCIAS EM TEMPO REAL: participe do grupo do MT Notícias no WhatsApp e acompanhe tudo em primeira mão. Inscreva-se aqui no Grupo 1 e no Grupo 2! Participe também do Grupo de Discussão

O suspeito estava com o celular da vítima. Ele instalou um novo outro chip para fazer ligações. Com ele, também foi apreendido a carteira e documentos do professor, além das chaves da casa da vítima.

Murilo de Souza Feliciano estava em sua casa, uma quitinete, quando foi morto por asfixia. Seu corpo foi encontrado sem roupas e com um fio de energia enrolado no pescoço.

Após os fatos, o suspeito subtraiu a carteira com cartões, documentos, dinheiro, além do celular e do notebook da vítima. Ao sair do local, o suspeito trancou a porta, levando as chaves da residência.

Leia Também:  PRF afasta envolvidos na morte de homem sufocado dentro de viatura

Os policiais conseguiram chegar a identidade do autor do crime que teve o mandado de prisão representado pelo delegado Jailson Peres da Silva.

Questionado, o suspeito confessou o crime e disse que matou o professor com um mata-leão, após a vítima tentar manter relações sexuais com ele.

Ele foi conduzido à Delegacia de Tangará da Serra, para ser interrogado e posteriormente foi colocado à disposição da Justiça. As investigações seguem em andamento para conclusão do inquérito.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

GERAL

São Paulo recebe primeira edição da Bienal do Lixo

Publicados

em

A partir de hoje (27), o Parque Villa Lobos, na zona oeste da capital paulista, recebe a primeira edição da Bienal do Lixo de São Paulo, projeto cultural que reúne obras de arte feitas a partir de material de descarte, intervenções artísticas, oficinas, mostra de cinema, palestras e painéis sobre o tema. O evento prossegue até o dia 5 de junho, com o objetivo de estimular o diálogo sobre as relações do homem com o meio ambiente. A cerimônia de abertura ocorreu na noite de ontem (26).

Organizado pela Secretaria Especial de Cultura do Ministério do Turismo, em parceria com as agências culturais La Mela e Usina, a Bienal do Lixo ocupará área de 3 mil metros quadrados no parque Villa Lobos, onde estarão instaladas as obras dos artistas, que representam exemplos de transformação. Na mesma área haverá seis cúpulas explorando o tema sob diferentes pontos de vista. Entre os artistas participantes estão Bordalo II, Ca Cau, Jota Azevedo, Carmem Seibert, Jorge Solyano, Rafael Zaca, Valter Nu, Leo Piló, Afonso Campos, Ubiratan Fernandes e Luê Andrade.

Nas oficinas artísticas e painéis, as empresas e organizações mostrarão suas ações, processos e modelos de negócio para reduzir o impacto ambiental. A Mostra de Cinema, que acontece na Biblioteca Parque Villa Lobos, exibirá filmes sobre arte, meio ambiente e sustentabilidade. Já os Painéis de Diálogos abordarão temas como logística reversa, economia circular, consumo consciente, educação ambiental, energias renováveis, gestão de resíduos, além de assuntos que possam colaborar com a política ambiental do país.

Leia Também:  UFRJ: soluções para mudança climática não estão à altura dos problemas

Ao mesmo tempo, como parte da programação da Bienal, será realizada de 1º a 3 de junho, das 10h às 17h30, o 13º Fórum Internacional de Resíduos Sólidos, na biblioteca do parque. Pela primeira vez em São Paulo, o encontro abrangerá discussões desde estudos acadêmicos até  visões governamentais e empresariais sobre o tema.

A diretora executiva da Bienal do Lixo, Rita Reis, ressaltou que a proposta é promover novos olhares e abordagens sobre os desafios para a preservação ambiental por meio da arte e cultura, ampliando o diálogo com a sociedade e todos os setores. “Acreditamos que a arte tem o poder de causar impacto nas pessoas, promover a reflexão, levar a uma transformação íntima e a mudanças de hábito que atingem diretamente o meio ambiente. Também acreditamos que a responsabilidade com o lixo e o meio ambiente é compartilhada entre poder público, sociedade e empresas.”

A artista plástica Carmem Seibert vai participar com obras feitas com garrafas de vidro fundido, inspiração que surgiu após um acidente de carro e cujo objetivo é chamar a atenção para o consumo de álcool e os riscos de acidentes de trânsito, além de mostrar que é possível fazer qualquer arte com as garrafas. Para ela, a Bienal do Lixo é uma forma de mostrar às pessoas o valor do material que é descartado.

Leia Também:  Homem é preso em flagrante após ameaçar companheira que estava na delegacia

“A garrafa de vidro é o material que tem a pior cotação no mercado dos recicláveis e, com o meu trabalho, posso mostrar que é possível fazer qualquer coisa com as garrafas de vidro. É possível fazer bijuterias, mosaico. Dessa forma, estou dando minha contribuição como artista porque as pessoas ficam maravilhadas com o que se consegue fazer”.

A Bienal do Lixo funciona das 10h às 18h, com todas as atividades abertas ao público e gratuitas, além de medidas de acessibilidade. Para ver a programação completa basta acessar o site do evento

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA