CUIABÁ

ECONOMIA

McDonald’s responde Elon Musk após proposta sobre criptomoeda

Publicado em

ECONOMIA


source
McDonald's responde Elon Musk após proposta sobre criptomoeda
Divulgação

McDonald’s responde Elon Musk após proposta sobre criptomoeda

Após Elon Musk afirmar em seu Twitter que comeria um McLanche Feliz na TV caso o McDonald’s aceitasse a criptomoeda Dogecoin como forma de pagamento, a rede de fast food fez uma contraproposta ao CEO da Tesla: “Só se a Tesla aceitar Grimacecoin”. A criptomoeda falsa faz referência ao Grimace, um dos mascotes do McDonald’s.

Tudo começou no dia 22 de janeiro, quando o presidente de El Salvador, Nayib Bukele, publicou uma foto em seu Twitter  com o “uniforme” da lanchonete. A piada veio após uma queda generalizada na cotação do Bitcoin, que foi adotado como a moeda oficial do país. No início desta semana, a criptomoeda chegou a despencar 12,43% – a US$ 33.435, o menor nível em seis meses.

Na segunda, o McDonald’s se rendeu à brincadeira e postou em suas redes sociais: “Como vão as pessoas que administram contas de criptos?”. Foi aí que Elon Musk, o garoto propaganda das criptomoedas, entrou em cena.

Leia Também:  Ministério da Saúde abre consulta sobre diagnóstico do câncer de pele

Vale lembrar que, em El Salvador, a gigante de fast food já aceita Bitcoin como forma de pagamento. Além disso, cabe destacar que a criptomoeda já vem se recuperando desde ontem (25). Hoje, está sendo cotada a US$ 37.97.

Já a cotação da Dogecoin, citada por Musk, está em US$ 0,15. Criada em 2013 como um meme, ela é uma das mais valiosas no mercado.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Petrobrás deixa de receber 30% do gás que chega de estatal boliviana

Publicados

em

source
Petrobras relata, em nota, os impactos causados pela redução de fornecimento do Gás
Agência Brasil

Petrobras relata, em nota, os impactos causados pela redução de fornecimento do Gás

Maio não foi um mês fácil para a Petrobras. Cerca de 30% da quantidade habitual de Gás Natural, proveniente da estatal boliviana YPFB. Sem essa redução de quase um terço do total, a importação brasileira gira em torno dos 20 milhões de metros cúbicos de gás, segundo fontes da empresa.

O impacto dessa redução se dá no planejamento operacional da Petrobrás, segundo declarações da empresa. Em nota, a empresa garante que busca soluções para que a YPFB cumpra o contrato legal, que prevê a chegada de uma quantidade padrão.

“Essa redução de 30% não estava prevista e implica a necessidade de importar volumes adicionais de Gás Natural Liquefeito para atender aos compromissos de fornecimento da Petrobras ”, afirmou em comunicado.

Leia Também:  Trabalhadores nascidos em julho podem sacar até R$ 1 mil no FGTS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA